PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS

Implante Mamário

O implante de prótese de silicone nas mamas ou mamoplastia de aumento é indicado nos casos de hipomastia (mamas pequenas), com o objetivo de aumentar o tamanho das mamas. Está também indicada nos casos de perda do volume mamário após a amamentação, podendo ou não ser realizada em conjunto com a mastopexia (ressecção de pele para suspensão das mamas). Os implantes mamários são ainda utilizados para agenesia congênita das mamas, reconstrução após ressecções cirúrgicas como no caso de câncer e para correção de assimetrias mamárias. É importante lembrar que nos casos de assimetrias mamárias, dependendo da alteração encontrada, a assimetria pode ser amenizada, mas não totalmente corrigida. Atualmente não é obrigatória a troca periódica das próteses de mama, como ocorria com as próteses mais antigas. Devido à crescente qualidade das próteses atuais, é necessário apenas o acompanhamento periódico.

Recomenda-se ultrassom das mamas anual e ressonância magnética após 10 anos do implante. As próteses podem ser colocadas acima ou abaixo do músculo peitoral. A inclusão submuscular (abaixo do músculo) geralmente é reservada para pacientes muito magras e que não possuam quase nenhum tecido mamário, para que a prótese possa ser recoberta pelo músculo, dando-lhe um aspecto mais natural. Isso impede que a prótese fique com sua forma muito aparente e artificial. O volume e formato da prótese deve ser escolhido juntamente com o cirurgião antes da cirurgia, e o tamanho irá depender das constituições físicas, como altura, largura do tórax e tamanho da base da mama. Atualmente, a mamoplastia de aumento é uma das mais procuradas cirurgias plásticas, devido ao alto grau de satisfação das pacientes.


Cicatriz e resultados finais: Dependendo da técnica empregada, poderemos ter variações quanto às cicatrizes. Geralmente as cicatrizes são pequenas, em torno de 4 – 5 cm de extensão e são situadas no sulco submamário. Nos casos em que há necessidade de ressecção de pele para correção da ptose mamária, a cicatriz é em forma de “T” invertido, na parte inferior da mama. A cicatriz passará por vários períodos de evolução, podendo apresentar precocemente reações aos pontos e curativos. Irá alterando a cor com o passar do tempo, estando inicialmente avermelhada, adquirindo seu aspecto final após, aproximadamente, 18 meses, com aspecto final que depende da genética da paciente.

Algumas áreas sobre as cicatrizes podem apresentar-se dormentes, o que irá melhorar com até 6 meses a 1 ano de pós operatório, embora possa não retornar totalmente à sensibilidade normal. O edema também irá regredir com o passar do tempo, aproximando-se do normal após mais ou menos 3 – 4 meses. As “novas mamas” passam por vários estágios e mudanças. Do 1º até o 6º mês, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva o que ocorrerá após cerca de 1 ano. Após o 12º mês a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade). Ocorre o efeito báscula, que é um caimento natural da mama, com acomodação dos tecidos e cicatrizes internas, dando o aspecto e forma finais das mamas.


Gestações futuras: No caso de gestações, o controle de peso é importante para manutenção dos resultados. Algumas pacientes poderão apresentar diminuição da sustentação da pele mamária, com posterior ptose e perda parcial dos resultados. A lactação geralmente não é afetada após a cirurgia.


Anestesia: Anestesia geral, peridural ou raquianestesia com sedação.
Tempo de cirurgia: em média 1:30 a 4 horas, dependendo da necessidade ou não de mastopexia associada .
Tempos de internação: Geralmente 24h


RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS

1)Serão solicitados exames pré operatórios: exame de sangue, eletrocardiograma, ultra som de mamas, mamografia, risco cirúrgico e raio X de tórax (cada paciente será avaliada individualmente);
2) Comunicar antes da cirurgia, em caso de gripe, febre ou qualquer outro problema de saúde;
3) Parar de fumar no mínimo 30 dias antes da sua cirurgia;
4) Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito fartas, na véspera da cirurgia. Jejum pré operatório de 8 h, inclusive água;
5) Evitar chá de Picão, Arnica, Ginkgobiloba, Castanha da Índia, Cápsulas de Alho, anti-inflamatórios e qualquer medicamento que contenha AAS (ácido acetilsalicílico) 10 dias antes da cirurgia, pois poderão interferir no processo de coagulação. Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer 10 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos;
6) Levar para o hospital o sutiã, pois esta será colocada imediatamente após o término da cirurgia. Levar também as meias elásticas (qunado indicadas), que serão usadas durante a cirurgia e mantidas até que a paciente volte a caminhar;
7) No dia da cirurgia tomar banho com sabão antisséptico (soapex) antes de ir para o hospital, não passar cremes, óleos, perfumes, desodorantes. Retirar esmaltes de cores escuras e qualquer tipo de jóias (anéis, alianças, brincos, pearcings);
8)Pacientes que usam medicação para pressão alta, deverão tomá-los no horário habitual, mesmo em jejum. Em caso de diabetes, a medicação não deverá ser tomada em jejum. Informe-se com o médico;
9)Levar ao hospital todos exames pré operatórios e risco cirúrgico;
10) Compareça acompanhado (a) para a internação.


RECOMENDAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

1) Permitido andar após a cirurgia. Evitar por 15 dias a elevação dos braços acima da altura dos ombros. Dar preferência a blusas com botões na frente;
2) Atividades físicas mais intensas somente após 2 meses;
3)Dirigir é permitido após cerca de 15 – 20 dias;
4)Consultas e acompanhamento médico pós operatório é indispensável;
5) Alimente-se saudavelmente e hidrate-se bastante. Dietas nesta fase podem ser prejudiciais. Após o segundo dia, não há restrições alimentares;
6) A primeira troca de curativo é sempre realizada pelo médico. Não molhar e não trocar curativos antes disso;
7) Banho completo será liberado após a primeira troca de curativo, geralmente com 48h de pós operatório. Vertigens e sensação de desmaio no início são comuns. Tome banho com um banco e uma pessoa por perto. Caso sinta-se mal, deite e eleve as pernas;
8) Usar o sutiã continuamente, por 2 meses. Retirar apenas para o banho;
9) Proteger a cicatriz de exposição solar direta por 6 meses no mínimo;
10) Poderá ocorrer eliminação de certa quantidade de líquido amarelado ou sanguinolento, por um ou mais pontos de cicatriz, não se preocupe, porque se isto lhe ocorrer não significa complicação;
11)É esperada reação da pele a alguns pontos e ao curativo, pode ocorrer vermelhidão e saída de pequena quantidade de secreção amarelada ou sanguinolenta;
12)A retirada dos pontos é iniciada em torno do 10º dia;
13) Edema e os equimoses pós-cirúrgicos, assim como algum desconforto físico são esperados. Entre duas a três semanas, normalmente o inchaço e os hematomas já terão diminuído a ponto de estarem quase invisíveis;
14) Risco de complicações: no caso de infecções, a prótese deverá ser retirada e recolocada após 6 meses. Sendo realizado tratamento adequado com antibióticos. Em caso de seroma persistente (acúmulo líquido ao redor da prótese), esta deverá ser retirada e recolocada após cerca de 4 meses. Em caso de contratura capsular (endurecimento das mamas por cicatriz interna), deverá ser realizada nova cirurgia com retirada desta cicatriz interna e o médico irá avaliar se há possibilidade de manter a mesma prótese ou se deverá ser realizada a troca da mesma.


RESUMO

CIRURGIA: MAMOPLASTIA DE AUMENTO
INDICAÇÃO: PEQUENO VOLUME MAMÁRIO
NECESSIDADES NO PÓS OP: USO DO SUTIÃ POR 2 MESES
DURAÇÃO: 1:30 A 2 HORAS
ANESTESIA: SEDAÇÃO, COM RAQUI, PERIDURAL OU GERAL
INTERNAÇÃO: 24 HORAS
RECUPERAÇÃO COMPLETA: APROXIMADAMENTE 45 DIAS
RETIRAR PONTOS: EM TORNO 10º DIA
OBJETIVO: AUMENTO DAS MAMAS
DRENAGEM LINFÁTICA: AUXILIA NA REDUÇÃO DO EDEMA


Vídeo do Procedimento
Agende sua Consulta
Entre em contato conosco, atendemos de Segunda a Sexta, das 8h às 18h.
Copyrights ©2017 - Dra. Samantha Andrade Maia, Cirurgiã Plástica